Ignez Ferraz, arquitetura & design  
Loading
     
PERFIL
CONTATO
NA MÍDIA
ARTIGOS
DICAS
 
Portfólio
DESIGN - MÓVEIS
ARQUITETURA
INTERIORES
MOSTRAS
MÓVEIS
Apoio
arquitetura & construção
design & internet
 
 home » artigos » gadgetry – genialidade no mobiliário georgiano
Gadgetry – genialidade no mobiliário Georgiano
Por Ignez Ferraz
Genious gadgetry on Georgian Style


Em "O Discurso do Rei", Colin Firth interpreta de forma magistral George VI (pai da Rainha Elizabeth e da princesa Margareth), cujo problema da gagueira lhe era exasperante. Temeroso, menciona durante a película sobre a fama que havia acometido um dos seus antecessores – GEORGE III, que reinou de 1760 (22 anos) a 1820, quando faleceu. Era conhecido como “O louco”, pois sofria de doença crônica que o impediu de reinar a partir de 1811.





Mas, pelo menos seu mobiliário, 'de louco’ não tinha nada – era genial, um dos que mais me cativam até hoje.
O estilo georgiano tinha influência neoclássica com detalhes lúdicos (“gadgetry”), versatilidade, multifuncionalidade e movimento, qualidades que tanto aprecio. (Nota)


O fator prático é favorecido pela criatividade onde predominam a elegância e a execução de alta qualidade. Inicia-se a Era dos grandes cabinet makers: Chippendale, Adam, Hepplewhite e Sheraton.



Caskets on Stands, 1785
Neste período de notáveis experiências em design, surgiram vários móveis sobre pedestais. Esta caixa apresenta ao fundo local para algodão, agulhas, etc. Em cima é um teapoy, com dois tipos de chá.



Móvel ícone: occasional table, que podia circular pelos aposentos, com pequenos rodízios e várias funções.


Nesta ocasião, a nogueira substitui o carvalho (utilizado desde a Idade Média) e o móvel maciço cede lugar ao folheado, com estrutura mais leve e possibilidade da conjugação de diversas madeiras (marcheterie). Outro detalhe eram os ‘pés’( não seriam 'pernas'?) retos e longos (afunilados) - opostos ao cabriolet rococó de Louis XV, mas influenciando Louis XVI (que reinou na França de 1774 a 1789).



Game table, 1800
Mesinha cheia de truques engenhosos: tabuleiro de xadrez reversível sob o tampo; gaveta que revela uma superfície para escrever, com escaninho para tinta e caneta; pequena tábua retrátil para velas.



E como seria a prancheta daquela época, séculos anteriores à existência de programas computacionais?



Mesa do Arquiteto, 1790
Própria para os que gostavam de desenhar ou ler em pé, por meio de 'telescopage' e abas extras



Incrivelmente ‘explosiva’. BLOW UP!


Nota:


Reli alguns móveis deste período como a "Sofia", inspirada numa "drum table" e o aparador "Zinha", baseado numa "writing table".



Drum Table, 1795
Redonda, com caixa em forma de tambor e recoberta por couro. Coluna central com 3 pés e discretas gavetas. A elegância da forma e proporção do exemplo são de Sheraton. Sofia é uma inusitada mesa redonda, que serve tanto como lateral quanto de cabeceira sobre 3 pés curvos, possui 'bandeja' e gaveta (fundos em vidro), imperceptíveis quando fechadas.




Writing Table , 1765
Sua forma curva (kidney) é similar aos modelos utilizados na França (haricot). Executada por Chippendale, permite uma adaptação em qualquer espaço - inclusive paredes angulares – podendo ainda dividir dois ambientes por ser dupla-face. O formato de “rim” ou "feijão" também é encontrado no moderno aparador-bar Zinha, apoiado em apenas três pernas. Nas duas bases giratórias com portas circulares são guardados bebidas e copos.
 
Leia Também
 
 
Ignez Ferraz Perfil | Contato | Na mídia | Artigos | Dicas | Arquitetura | Interiores | Design-Móveis | Mostras.
  © 2003 Ignez Ferraz. Direitos reservados. Website by Felipe Memória