Ignez Ferraz, arquitetura & design  
Loading
     
PERFIL
CONTATO
NA MÍDIA
ARTIGOS
DICAS
 
Portfólio
DESIGN - MÓVEIS
ARQUITETURA
INTERIORES
MOSTRAS
MÓVEIS
Apoio
arquitetura & construção
design & internet
 
 home » artigos » starck entre louis xv et louis xvi
Starck entre Louis XV et Louis XVI
Por Ignez Ferraz

Louis XV et, Louis XVI – entre les deux le coeur de Philippe Starck balance...


O casamento do príncipe William com a plebeia Kate reacendeu o fascínio pela realeza no imaginário popular – reminiscências de contos de fadas que remetem à inocência infantil, onde ‘bonzinhos’ viviam “felizes para sempre” e os ‘malvados’ sofriam severas punições?


Pelo sim, pelo não, o fato é que a monarquia (parlamentar) inglesa, com seus tradicionais escândalos, vai muito bem, obrigada. E o novo casalzinho, com cara e jeito de soberanos, agradou a todos com sorrisos e quase-austeridade.


Já a França, eterna rival, não resistiu ao ver o luxo dos seus reis e deu um fim à monarquia absolutista, ainda no séc. XVIII. E como foram os últimos anos dos ‘Luises’ de Bourbon?(Nota)



Como vocês podem notar na linha cronológica, o reinado dos ‘Luises’ corresponde ao período Georgiano inglês e Louis XVI reinou paralelamente a George III (no meu ponto de vista o mais criativo soberano e talvez por isso mesmo tenha enlouquecido), sofrendo grande influência do seu estilo neoclássico.


Historicamente, tanto Louis XV quanto Louis XVI atravessaram breves períodos de popularidade, mas de um modo geral seus governos foram considerados desastrosos, em parte pela imaturidade de ambos durante períodos de guerras intensas.


Mas como este é um site de Arquitetura e Design, vamos focar nestes assuntos, onde acho que eles se saíram bastante bem, sempre influenciados por suas mulheres e amantes - não é de hoje que no fundo, no fundo, elas é que ‘dão as cartas’(rs).


ESTILO LOUIS XV – ROCOCÓ
Louis XV
tornou-se Rei em 1715, com apenas 5 anos, sucedendo seu bisavô Louis XIV (conhecido como “Rei-Sol” e criador das famosas e estranhas perucas que perduraram por 150 anos – além do Palácio de Versailles, bien sûre!). Morreu em 1774 e era conhecido como “Bem-amado” pois teve muuuitas mulheres e filhos.


Sua maior inspiração e autoridade em matéria de decoração na Corte foi sua amante Madame de Pompadour, figura de destaque no impulso das artes decorativas. É o caso da oficina de porcelana de Vincennes (mais tarde Sèvres) de onde originam muitas das peças usadas neste período.


Grande refinamento e conforto na produção de móveis. A estética estava intimamente ligada à figura feminina.



Poudreuse, 1750
Penteadeira prática e decorativa: com a tampa levantada revela compartimentos para guardar maquiagem e acessórios.



Móvel ícone: petite table, pois os ambientes foram subdivididos durante o reinado.


Principais características:
Pés curvos e alongados
Aproveitamento dos veios da madeira para diferentes efeitos de acabamento
Mobiliário com fechos, prateleiras e gavetas secretas



Guéridon, 1760
Termo inicialmente do séc. XVII para designar uma mesa alta e redonda para velas, mas em meados do séc XVIII já era utilizado para qualquer tipo de pequena mesa redonda.




Sécrétaire à la Bourgogne, 1760
Inspirada na gadgetry Georgiana, quando fechada aparenta ser uma simples mesa. Aberta, a parte central se eleva surgindo um pequeno gaveteiro. O tampo é rebatível (soleil ou à abattant).



E, afinal, onde entra o designer francês PHILIPPE STARK nesta história?
Como todo bom patriota, Philippe deve sentir orgulho de seus ancestrais, tanto que ‘releu’ as pernas cabriole (cabra), com suas curvas e contracurvas bem ao estilo de Louis XV. Atenção a sua inspiração:



Mesa de ébano, 1725
Nas primeiras décadas do século XVIII, ocorreu uma forte reação contrária à decoração extravagante do final do século XVII. Como exemplo, o trabalho de Boulle, um dos seus mais famosos ébénistes (ebanistas).
Lola Mundo, 1986, Philippe Stark
Banqueta que se desdobra em cadeira.



ESTILO LOUIS XVI - NEOCLÁSSICO
Louis XVI
casou-se aos 16 anos com Marie-Antoinette e foi coroado aos 20, depois da morte do seu avô Louis XV. Seu reinado foi marcado por ideias políticas que levaram à Revolução Francesa em 1789, tendo o casal sido decapitado em 1793. O rei da França tinha então 39 anos.


Ele não se interessava pela Arte do seu tempo. Em compensação, sua esposa e seus cunhados (os futuros reis Louis XVIII e Charles X) protegiam e encorajavam as criações de artistas. Difundiram uma nova moda, caracterizada pelo neoclassicismo, que buscava inspiração na antiguidade greco-romana.
Seu gosto espalhou-se por toda Europa. Pouco a pouco a linha reta triunfa, os ornamentos “à la grega” suplantam as fantasias do “rocaille”. Seu estilo se caracteriza pela leveza, graça, elegância, o gosto pelas flores e drapeados – é o início de um estilo sedutor.



Mesa Oval, 1785
Peça típica do mais famoso cabinet maker alemão, David Roentgen, que trabalhou como relojoeiro especializando-se em fabricar gavetas secretas. Mix do rococó francês com o neoclássico inglês.



Até a revolução, os menuisiers só podiam trabalhar a madeira maciça, sendo mais conservadores do que os ébénistes, que folheavam os móveis, mas não tinham direito de ciselar e dourar os bronzes, função reservada aos fondeurs-ciseleurs.
Os “pintores-douradores” decoravam os lambris, camas e cadeiras.



Marchetaria incrustada e marchetaria aplicada em bronze.


Mas o pessoal da Corte também era chegado a um joguinho... A versão do atual gamão chamava-se Trictrac (bonitinho, né?). O tabuleiro se esconde sob o tampo, enquanto as gavetas guardam as peças. Dependendo do tipo do jogo, as mesas apresentavam diversos formatos.



Table de Trictrac, 1785
Esta versátil mesa de jogos mostra clara influência de George III com seus pés “flûte” e décor de inspiração clássica.



Mas nem só de mesas viviam os soberanos e o item ‘cadeiras’ foi bastante desenvolvido neste periodo, com nomes apropriedados para cada função.



À esq.:
Fauteuil de bureau, 1785
Esta poltrona evoluiu para a Gondole do séc. XIX.
Bergère, 1780
Poltrona larga e profunda, guarnecida por braços e assento de plumas.

À dir.:
Fauteuil à la Reine, 1775
Encosto reto para ser posicionada contra a parede
Chaise en cabriolet, 1780
Encosto inclinado para o conforto ao sentar-se



Neste ponto retorna ao palco nosso astro STARK e sua genial interpretação de poltrona muito utilizada neste periodo:



Poltrona Louis Ghost, 2002, Philippe Stark
Fauteuil en cabriolet, 1780
Obs:
O designer francês começou a projetar cadeiras totalmente transparentes (que dizia ser um anti-desig por não interferir no ambiente) com “La Marie”, sucesso mundial (imbatível) em 1998.


Outra peça bastante popular na Corte era o sofá oval para duas pessoas, puro luxo e requinte (influência turca?).



Sofá Ottomano, 1775


Foi quando veio a Revolução Francesa e... ZAPT!



Nossa moderna Marie-Antoinette do Shopping DSM londrino (ora, ora, vejam só a eterna rivalidade) é guilhotinada e cai do seu sofá Ottomano...!


Nota: depois da queda de Bonaparte, os Bourbons reinstalaram-se no trono - Luís XVIII (1814-1824) e Carlos X (1824-1830). Entretanto, o predomínio na sociedade francesa da aristocracia fundiária, fiel às ideias do Antigo Regime, provocou a queda de Carlos X e o advento de uma realeza burguesa. O reinado de Luís Filipe (1830-1848) foi marcado pela supremacia política e econômica da burguesia.


A monarquia francesa acabou definitivamente com sua abdicação.
 
Leia Também
 
 
Ignez Ferraz Perfil | Contato | Na mídia | Artigos | Dicas | Arquitetura | Interiores | Design-Móveis | Mostras.
  © 2003 Ignez Ferraz. Direitos reservados. Website by Felipe Memória