Ignez Ferraz, arquitetura & design  
Loading
     
PERFIL
CONTATO
NA MÍDIA
ARTIGOS
DICAS
 
Portfólio
DESIGN - MÓVEIS
ARQUITETURA
INTERIORES
MOSTRAS
MÓVEIS
Apoio
arquitetura & construção
design & internet
 
 home » dicas » nobreza nas cool shops londrinas
Nobreza nas cool shops londrinas
Por Ignez Ferraz
Noble style in london cool shops


Desde a déc.60, quando a Beatlemodamania transformou Londres no centro mundial da Moda, a cidade é famosa pela diversidade de seu comércio: de grifes cujos produtos custam pequenas fortunas a butiques punks.





Comfort Station (Design Amy Anderson) e Dolce & Gabbana (Design Ferrucio Laviani), novas cool shops com ares “modern retro”, estilo iniciado por Philippe Stark na Maison Baccarat – lustres e cadeiras vintage pontuais se harmonizam com revestimentos sóbrios.


De pechinchas como em Camden Town ou nos inúmeros brechós a chiquérrima Bond St., onde se localizam as poderosas Hermès, Chanel, Versace, Tiffany e Sotheby's. Piccadilly, Oxford St., Regent Street ou Knightsbridge (Harrod's) são outros points. Jeremy St. e Saint James formam uma área histórica de lojas antigas especializadas em sapatos, chapéus e perfumes. Já Kensington Church Street e Portobello Road, os melhores lugares para se comprar antiguidades.


A badalada Saatchi Gallery de Arte Contemporânea na Sloane Square foi pioneira num novo pólo de lojas chiques da Sloane St., assim como o novo shopping DSM em Dover St.


Back to the future
Sou fã das pessoas que sabem manter o sucesso, performance mais difícil do que alcançá-lo, num mundo ávido por novidades rapidamente descartáveis.


Em King’s Road vocês podem conhecer um mega showroom, cuja proprietária se mantém no top desde 1970: Tricia Guild.


Hoje a Designers Guild oferece tecidos, papéis de parede, estofados e coleções de cama e banho em mais de 60 países. Sua filosofia é combinar criatividade com qualidade – de produtos, serviços, funcionários (em torno de 260, sendo 230 só na Inglaterra). Com inúmeros prêmios na bagagem, Tricia ainda se divide entre os escritórios de Munique e Paris.


Depois do primeiro sucesso das suas criações (a Richards também adora um composé xadrez/ listras/ flores) e de dois livros, lançou “White Tricia”, onde louvava os tons desbotados e pastéis, degradés de uma mesma tonalidade, chegando mesmo ao branco total.


Há os que conseguem se manter repetindo over and over o produto do seu sucesso. Mas existem também os que se renovam, sempre antenados com os novos paradigmas. É o caso desta londrina, que agora anda surfando na onda retrô:





Na sua fase mais recente, Tricia faz releitura da nobreza, com desenhos de rocailles e arabescos, em tecidos como veludos e adamascados. As cores são mais sóbrias - vinhos, malvas e musgos.


Esperta a moça, não?

 
Leia Também
 
 
Ignez Ferraz Perfil | Contato | Na mídia | Artigos | Dicas | Arquitetura | Interiores | Design-Móveis | Mostras.
  © 2003 Ignez Ferraz. Direitos reservados. Website by Felipe Memória