Ignez Ferraz, arquitetura & design  
Loading
     
PERFIL
CONTATO
NA MÍDIA
ARTIGOS
DICAS
 
Portfólio
DESIGN - MÓVEIS
ARQUITETURA
INTERIORES
MOSTRAS
MÓVEIS
Apoio
arquitetura & construção
design & internet
 
 home » artigos » cálices da sedução no périgord - bordeaux
Cálices da Sedução no Périgord - BORDEAUX
Por Ignez Ferraz
Vin et Séduction au Périgord


Não foi por mera sorte que depois do simpático filme “Sideways”, a pinot noir foi elevada à categoria de uva nobre. Suas vendas – e preços – aumentaram, enquanto palestras e degustações sobre o tema pipocaram no mundo todo.



O melhor é prová-lo, com calma e paz – de preferência, bem acompanhado (se for na Borgonha, tente hospedar-se em torno de Beaune)


A uva pinot noir rende vinhos de corpo leve, mas sabor excepcional. Uma das palavras mais associada aos tintos da Borgonha é “sensualidade”, pois uma taça de pinot noir revela uma estrutura intensa e refinada. Sua aparência é um elemento evidente da sedução: brilhante e límpido como o olhar de desejo. É uma uva sutil, cujo sabor transita das frutas vermelhas quando jovem, às especiarias (afrodisíacas?) ao amadurecer. Dispensa mais palavras.


O vinho da sedução hipnotiza: tempera o encanto, umedece o fascínio. Como o vinho do Porto branco, que é considerado um dos mais poderosos afrodisíacos, principalmente quando consumido com morangos silvestres (o vermelho, tom das vestes de Baco, faz com que esta tonalidade seja repleta de códigos culturais – a cor do sangue, do coração, da maçã do paraíso, ou seja, da paixão!).


Entretanto, na minha (modesta) opinião, numa harmonização de contrastes, nada se compara ao adocicado Sauternes acompanhado por um “bloc de foie-gras” de entrada. Os melhores foie-gras (de ganso ou pato, inclusive semi-crus) se encontram na região do Périgord, em torno do rio Dordogne – que a divide em Périgord Blanc e Noir. Lá eles costumam ser servidos com um pouco de sal e uma porção de geléia de frutas vermelhas (de novo, a cor da paixão).


Falésias abrigam charmosas cidades como Sarlat, Bergerac e Beynac (foto), com edificações de pedras - castelos, igrejas, casas sempre em tons terrosos – construídas entre os séculos XII e XVII.





(Estas “quase aldeias” não lembram as pinturas de Brueghel, como neste trecho retirado do quadro “A torre de Babel” de 1563?)





Entre todos os vilarejos, recomendo Trémolat, especificamente o Relais & Châteaux “Vieux Logis”, que oferece conforto residencial (tente reservar a mansarda, para recuperar-se da viagem de Bordeaux na banheira da sua salle de bains) com ares de campagne. Local idílico, ex-monastério do séc.XIX, seu restaurante era o antigo celeiro.
Dá para imaginar o encanto?


Já na Itália, minha paixão encontra-se na Toscana , entre Siena e S. Gimminiano. É o Borgo S. Felice, outro hotel da cadeia Relais & Châteaux, no meio dos vinhedos Chianti. Sobre seus vinhos... bem, sobre os vinhos e suas harmonizações vocês poderão ler no artigo que escrevi para o jornal do Garcia & Rodrigues.
TIM-TIM!
 
Leia Também
 
 
Ignez Ferraz Perfil | Contato | Na mídia | Artigos | Dicas | Arquitetura | Interiores | Design-Móveis | Mostras.
  © 2003 Ignez Ferraz. Direitos reservados. Website by Felipe Memória